quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Você tem medo de quê?

Postado por Aline Brito às 23:40 4 comentários

Eu não tenho medo de altura (até gosto), não tenho medo de escuro, não tenho medo de cemitério (muito pelo contrário, sempre que posso, visito; são lindos, são obras de arte).  Mas, o que parece muito estranho, eu tenho medo de bola de soprar. Isso mesmo, bexiga, aquela bola bonitinha, inocente de festinha de criança. Não fico perto daquilo. Soprar algumas pra ajudar na arrumação da festa? Nunca! Meus parentes e amigos já sabem e aproveitam pra me pirraçar. Até já bolaram uma filmagem, uma pegadinha, de alguém estourando aquelas malditas bolas perto de mim. Imaginem o escândalo que eu fiz, os gritos... Mais uma das minhas maluquices. E não é que eu descobri que isso é uma fobia com nome chique e tudo: é a globofobia. 
Aí aproveitei para iniciar as minhas famosas pesquisas googlelógicas, sobre esses medos estranhos como o meu:   
Coulrofobia – Medo de palhaços (isso seria uma contradição na minha vida); 
Algodãofobia – Medo de bolas de algodão (besta, as minhas bexigas pelo menos estouram); 
Itifalofobia – Medo de ereções (prefiro não comentar); 
Neofobia – Medo de coisas novas (inclui tecnofobia, pois eu amooooooo novas tecnologias!); 
Pteronofobia – Medo de cócegas com penas (trauma de infância?); 
Efebofobia – Medo de adolescentes (bem que eu poderia ter essa fobia, por trauma, de ter dado aula a esses seres "diferentes"); 
Gimnofobia - Medo da nudez (lembrei de Copélia, do "Toma lá, dá cá"). 
E você, tem medo de quê? Posta aí pra gente, vai, não tenha medo de contar, ou você tem blogfobia?!?

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Me apaixono fácil

Postado por Aline Brito às 22:03 5 comentários
Um dia me vi andando por aí, sozinha, sem lenço, sem documento, sem direção. Resolvi ligar para um amigo para pedir uma opinião sobre "ele".
Esse amigo fez os melhores elogios, disse que o tal pretendente era legal, bom em economia, pequeno, mas forte e bonito. Aí eu não agüentei: "Bonito? Você já está apelando. Ele é muito feio que eu sei, parece mais um sapo. Não vou gostar".
Então meu amigo disse: "Não julgue sem conhecer. Vem cá no meu trabalho, aproveita que ele tá aqui".
Eu fui. Chegando lá, olhando mais de perto, não é que achei bonitinho... Queimei a língua.
Enfim, quando me aproximei, percebi que ele combinava muito comigo. Saí com ele, aí me apaixonei.
Ele me leva a lugares ótimos, me ajuda muito, me dá segurança. Hoje estamos juntos pro que der e vier: eu e meu Ford Ka. (Ué, vocês estavam pensando em que?- hehe).

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

O dia em que eu persegui Jorge Vercilo

Postado por Aline Brito às 23:33 5 comentários
Era uma vez um grupo de amigas que saiu de Itabuna pra assistir ao show de Jorge Vercilo em Ilhéus. Umas moças metidas a intelectuais, cult, educadas, bem vestidas, comedidas... (eu e minhas amigas - hihi).
O show foi legal e depois fomos ao posto de gasolina abastecer o sapinho. De repente, por ironia do destino, a mais desatenta do grupo olhou pro lado e viu uma van branca e gritou: "Gente, naquela Van, é a banda de Jorge Vercilo!!!". Nossa, que bando de tontas! Começamos a gritar, o frentista não entendia o que estava acontecendo. Ninguém tomada uma atitude, ninguém saía do carro, todo mundo esqueceu o jeito cult de ser. Demos uma de fãs histéricas.
Ele estava realmente lá, Jorge, todo sorridente, mas a Van saiu e nós ficamos, desesperadas, esperando o troco! Aff.
Mas uma idéia "perfeita" veio à nossa mente: "Vamos seguir o carro deles!". Aí saio eu dirigindo loucamente pela cidade, seguindo qualquer coisa que parecesse com uma Van branca.
E encontramos a tal Van, apesar da desvantagem na corrida! E a Van foi longe, e nós ali, numa ansiedade, porque íamos conhecer pessoalmente a celebridade e sua banda. Finalmente a van parou, e nosso carro parou atrás, espertamente, pra que a van não pudesse fugir das fãs descontroladas. Então sai da Van um rapaz todo assustado, sozinho, que até hoje não sabe de que hospício saíram aquelas loucas que estavam seguindo seu carro.
Quem perdeu foi Jorge, de conhecer as figuras que estavam ali, que foi com sua van pra um lugar protegido contra meninas desvairadas - kkk.

domingo, 27 de setembro de 2009

Cara de um, focinho de outro

Postado por Aline Brito às 23:20 1 comentários
Minha tia estava fazendo uma pesquisa informal sobre essas expressões, as corruptelas, muito usadas em nosso cotidiado, mas que sofreram mutações bastante interessantes.
Quando uma pessoa é muito parecida com outra, costuma-se dizer que é "cara de um, focinho de outro". Na verdade, a expressão é "cara de um, feição de outro". Assim como esta, outras mudanças caíram na boca do povo.
Cuspido e escarrado: esculpido em carrara, um tipo de mármore usado em esculturas.
Defensor dos frascos e comprimidos: é defensor dos fracos e oprimidos (ainda tem gente que diz " frascos de comprimidos").
Quem tem boca vai a Roma: é Quem tem boca vaia Roma, uma forma de mostrar descontentamento com o governo romano.
Dois sentidos não assam milho: dois sentidos não se assimilam.
Quem não tem cão caça com gato: Quem não tem cão caça como o gato (ou seja, sozinho).
Batatinha quando nasce se esparrama pelo chão: Batatinha quando nasce espalha a rama pelo chão.
Agora aproveita e acrescenta uma corruptela aí nos comentários.
Inté!

Adoro progagandas criativas

Postado por Aline Brito às 01:27 3 comentários
Isso já foi assunto de minhas aulas...
Fico toda satisfeita quando vejo uma propaganda diferente, criativa, inusitada.
Vejamos algumas:
Os elevadores facilitam nossa vida, mas contribuem para uma vida sedentária. Uma escada de vez em quando (e usar Becel, uma margarina saudável) de vez em quando não faz mal a ninguém.
 
Os Simpsons sempre me chamaram a atenção. Mas, se eu usar esse creme anti-frizz, quem vai chamar a atenção sou eu!

Adoro essa, até emociona. Não é muito comum mandar cartas, mas, se receber uma, vou me sentir assim:

Essa tem seu lugar ao sol:

Amo quando brincam com as palavras!


Que zoom poderoso!
Photobucket - Video and Image Hosting

Usar a ilusão de ótica foi 10! Parabéns à agência da Duracell:

Calma, você não está bêbado.

sábado, 26 de setembro de 2009

Eu tenho um amigo chamado Leribi

Postado por Aline Brito às 00:20 1 comentários
Sabe aquela música dos Beatles, Let it be? (http://www.youtube.com/watch?v=kEogJacjLTE&feature=related) Então, a mãe do meu amigo gostava muito dessa melodia, e resolveu colocar o que ouviu no nome do filho. Assim, saiu: Let it be = Leribi. E ele ainda fica todo orgulhoso com o nome. Certa vez, numa festa de encerramento de congresso, ele correu até o palco e mostrou aos músicos da banda que tocava Beatles a própria identidade, pra provar que se chamava Leribi. Que figura!
E o jogador de futebol Odivan, conhecem? O nome dele é por causa da música "O Divã", de Roberto Carlos.
Parece que no momento da concepção, os pais são tomados por uma inspiração "diferenciada" e saem a inventar moda, querendo colocar o nomes mais interessantes da humanidade.
Minha mãe querida, por exemplo, tinha vontade de ter um parto indígena, conseqüentemente, iria colocar nomes indígenas nos filhos. Assim, o menino seria Ubirajara (até bonitinho), e a menina (no caso, "eu") seria Nara Juquira! (Gente, como é que eu ia fazer com esse nome!). O tempo foi passando e ela desistiu da idéia (ainda bem). Eu nasci e, como vim ao mundo na Semana Santa, uma vizinha sugeriu que me colocassem o nome de Maria da Paixão (paixão significa sofrimento em latim; longe de mim!). Dei sorte e a família toda se envolveu na empreitada e resolveu colocar um nome mais comum (muito comum, por sinal, manjadíssimo).
Hoje fico observando os nomes dos meus alunos, muitos deles estranhos, mas não tenho autoridade pra "mangar", tendo um histórico desses, correndo o risco que corri. Meu nome significa "de linhagem nobre", e eu, toda besta, vou propagando meu lindo nome por aí.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Essas mulheres...

Postado por Aline Brito às 09:23 4 comentários
O comportamento feminino realmente merece um post só pra ele. Dizem que é difícil entender a mulheres, tem gente que sonha em ter o poder de decifrar seus códigos secretos, seus silêncios, seus "Deixa pra lá...".
Algumas mulheres conquistaram um lugar na história: Ana Neri e seu trabalho na área da enfermagem; Anita Garibaldi, com sua força e coragem; Florbela Espanca (até o nome é especial), e sua produção poética ímpar, além das atitudes à frente de seu tempo...  
A desigualdade salarial, a ocupação de determinados cargos públicos e a colocação no mercado de trabalho preocupam. Mas sabemos que algumas mulheres já trabalham em profissões tradicionalmente masculinas, como na construção civil. 
E no trânsito: é uma guerra! As que sabem dirigir pagam pelas que não sabem (mesmo que a proporção seja igual à dos homens). 
Mas esse texto não é uma defesa à diferença, mas uma "observação" a alguns elementos que me chamam a atenção. 
Direitos e deveres iguais? Não conseguiria trocar o pneu do carro sozinha.
Ser gentil? Quase sempre confundem com outra coisa, a ponto de existir no Orkut a comunidade: "Sou legal, não tô te dando mole".
Tem mulher que se destaca pela ousadia e pelo inusitado do que escolhem fazer: 
Coleta fecal
Essa aí é técnica de coletagem fecal de animais de grande porte (além de nojento, é perigoso).
Nas propagandas de cerveja, parece que só homem é consumidor, pois nunca vi um comercial com o "Bar do Bom", como um artista lindo servindo e as mulheres, felizes, bebendo.
Confesso que não tenho muita afinidade com as temáticas ditas femininas, encontradas quase sempre em programas de TV e revistas direcionadas a esse público. Costumo brincar: "Não sei cozinhar, mas sei tocar piano!". Outro dia perguntaram se eu sabia bordar e eu: "Qual é, rapá, tá me estranhando?" Mas todo mundo deve estranhar um homem babá e uma mulher encanadora".
No final das contas, acho que os homens são difíceis de lidar, de entender, mas acho que as mulheres são mais difíceis ainda, virando até motivo de piada. Vejam:
Um homem caminhava pela praia e tropeçou numa velha lâmpada.Esfregou-a, um gênio saltou lá de dentro e disse:
 - Ok, você libertou-me da lâmpada, bla, bla, bla; esqueça aquela história dos três desejos, você tem direito a um desejo apenas. Diga o que quer.

O homem pensou por um instante, depois disse:
- Eu sempre quis ir ao Arquipélago de Fernando de Noronha, mas tenho medo de voar. De navio, costumo ficar enjoado.
Você poderia construir uma ponte até Fernando de Noronha para que eu pudesse ir de carro? 
O Gênio riu:
- Impossível; pense na logística do assunto.São ilhas oceânicas afastadas da costa. Como é que as colunas de sustentação poderiam chegar ao fundo do Atlântico?? Pense em quanto concreto armado, quanto aço, mão-de-obra... Não, de maneira alguma! A ponte não pode ser! Pense em uma coisa mais razoável.
O homem compreendeu e tentou pensar num desejo realmente bom.  Finalmente disse:
- Sabe, eu fui casado quatro vezes e quatro vezes me separei. Minhas esposas sempre disseram que eu não me importava com elas e que sou um insensível. Então meu desejo é poder compreender as mulheres:saber como elas se sentem por dentro, o que elas estão pensando quando não falam com a gente, saber porque é que estão chorando, saber o que elas realmente querem quando não dizem nada, saber como fazê-las realmente Felizes!
O Gênio respondeu:
- Quer a tal ponte com duas ou com quatro pistas?
E assim vamos seguindo a vida, de salto alto e batom (hihi)!

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

É cada cantada...

Postado por Aline Brito às 10:38 2 comentários
Acabei de receber uma reclamação de um amigo que disse ser um "erro mortal" deixar de postar um dia...  (Que exagero). Segundo ele, a pessoa já tem o maior trabalho de digitar aquele negócio todo pra, quando entrar, não ter nada pra ler. Eu também, pra não ficar por baixo, já disse que ele não tinha de digitar, tinha de colocar meu blog nos "Favoritos"! (hehe). Mas eu já havia avisado que o tema hoje eram as cantadas...
Um amigo meu perguntou dia desses se eu ia pegar o ônibus. Eu disse: "Que ônibus? Como assim?" Ele disse: "É que você tá no ponto!". Não sei se é pra rir ou pra chorar. Mas foi inspiração pra escrever.
A cantada, muitas vezes, é tomada pela pessoa que a recebeu como uma ofensa, mas, no fundo, vem uma pontinha de orgulho, a auto-estima se eleva, porque pior que receber cantada brega é ninguém notar que você existe.
Então vamos ao resultado de mais uma pesquisa:
Tem essa do super-sincero: - Com licença, mas qual é a cantada que funciona melhor com você?
Encontrei essa toda enfeitada:

A do prático: - Suspende as fritas, o filé já chegou!
E do pedreiro: - Você é o ovo que falta na minha marmita. (Chamar a mulher de ovo e ainda querer que ela goste é demais).
Mas o bom é que existem também as respostas das cantadas, que dão aquele ar de competição:
Cantada: Se beleza desse cadeia, você pegaria
prisão perpétua.
Resposta: Se feiúra fosse crime, você pegaria pena
de morte.



Cantada: Nossa, não sabia que boneca andava!
Resposta: E eu não sabia que macaco falava!



Cantada: A gente já não se encontrou em algum
lugar antes?
Resposta: Sim, e é justamente por isso que eu não
vou mais lá.



Algumas conseguem ser tragicômicas:
"Seu pai trabalha na TAM? ....Porque vc caiu do Céu."


Outras são difíceis até de comentar...
"Conhecer alguém vale a pena, mas conhecer você vale a galinha intera!"


No final das contas, "quase" todo mundo já ouviu ou falou algo assim... E as mulheres estão agora se soltando e investindo nessa arte, sem medo de ser feliz.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Tamanho não é [tudo no] documento

Postado por Aline Brito às 01:34 1 comentários
Resolvi escrever um texto menor, que é este que encerro aqui.

Eu e meu bom humor

Postado por Aline Brito às 01:08 2 comentários
Alguns devem pensar: onde ela acha tempo pra escrever essas coisas? Ela copia de algum lugar? É tudo pesquisado?
Calma! Quase tudo vem à mente sem necessidade de projeto de pesquisa, com metodologia cuidadosamente elaborada (ufa!). São construções que vêm se acumulando aos poucos, a partir do conteúdo que vejo por aí.
Movida pela curiosidade e pela afinidade com o besteirol, cito e recomendo algumas fontes, ou seja, uma coletânea do humor. Alguns são impublicáveis (apesar de já estarem publicados); outros são amados e odiados, mas tudo muito engraçado pra mim:
a peça "7 Conto", com Luiz Miranda;
o "Humor na Caneca", do Programa do Jô, na Globo;
o livro de piadas do Costinha (imagine aí);
os "Flagras de MSN", do site do Jacaré Banguela;
o CQC (Custe o Que Custar), na Band;
e "Quinta Categoria", "15 minutos" e "Furfles", todos na MTV.
E olha isso:

É sério que eu também penso em coisa séria. Mas aqui, aaaaaaahhhhhhh... aproveito pra rir e fazer rir. E se rir é o melhor remédio, não morro tão cedo!
  

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Vaidade feminina

Postado por Aline Brito às 22:32 4 comentários

Onde vai parar a vaidade feminina? Ainda bem que eu nasci com cabelos lisos (kkk).
As brasileiras só perdem para as argentinas no ranking das mais vaidosas, entre as 23 mil mulheres entrevistadas em 24 países. É o que aponta pesquisa realizada pela Avon, uma das maiores multinacionais na área de cosmético.
Dentre as escolhas, há: hidratação, escova, manicure e pedicure; drenagem linfática, depilação, podólogo, compra de cremes corporais e faciais, perfumes, massagem, luzes nos cabelos, depilação, produtos de beleza importados, produtos manipulados para corpo e rosto, indicados por dermatologista; creme anticelulite; corte de cabelos a cada 15 dias, tintura, banho de lua (técnica usada para clarear os pêlos do corpo). Fora as plásticas (Dr. Hollywood que o diga).
E haja tempo e dinheiro...
O pior é que tem gente que ainda faz piada: já li, inclusive, pela etimologia, que a palavra "cosmético" vem de caos, ou seja, algo que irá tornar o caos organizado (Êpa, também não é assim!). Numa charge, o menino pergunta: "Mãe, por que mulher usa batom?" E a mãe, vaidosa, responde: "É pra ficar bonita, filho!" E ele devolve: "E por que não fica?" (Nossa, tadinha!). Agora, sério, fato verídico, um professor da UESC me encontrou e disse: "Nossa, não tava te reconhecendo, porque você deu chapinha no cabelo!" (Fiquei bege). Outro dia minha manicure me ofereceu um serviço inusitado: "Olha, eu já tô fazendo o desenho do Piu-piu na unha, sai baratinho" (Pra onde é que eu vou com esses pintinhos amarelos na minha unha, minha gente?).
Sobre esse tema, existem no Google (meu fiel companheiro) mais de 15 mil páginas.
Existe megahair a laser; argila para as células mortas do couro cabeludo; alisamento fotônico (parece que é mais um apelido da escova definitiva); visagismo (aquele negócio de ver na tela do computador como ficaria certa cor, certo corte); selagem térmica; escova de chocolate (prefiro não comentar); texturização, alongamento de cílios...
Só de escova, tem progressiva, de chocolate, inteligente (acho que quero esta!), alemã Germany hair (nem perceberam a redundância), de vinho liso intenso (e piolhos bêbados), de morango (mas que mania de misturar comida com cabelo!), permanente, de verniz, definitiva, semi-definitiva (acho até graça), francesa (que os franceses provavelmente nunca ouviram falar), de aminoácidos (quê?) etc.
Ah, e devemos usar xampu sem sal (mas quem inventou isso de botar sal no xampu, já dava pra saber que não ia dar certo).
Tem gente aí que não sabe do que eu estou falando. Mas tem gente... Vai, confessa, já fez um monte dessas coisas.

domingo, 20 de setembro de 2009

Sobre tudo se estuda nesse mundo

Postado por Aline Brito às 19:59 2 comentários

Meu professor do mestrado me disse que estudou no doutorado sobre o louva-deus (aquele inseto super-feio). Eu demonstrei na hora o meu espanto: "Professor, não acredito que o senhor passou 4 anos pra estudar aquilo". Ele, chateado, confessou: "O louva-deus tem grande importância em sua cadeia alimentar. O pior é que tinha outro doutorando estudando sobre o mesmo inseto em São Paulo". Aff. Na Universidade onde trabalho, há estudos sobre os testículos do coelho, as fezes da capivara, o comportamento social do caititu... Aí resolvi fazer uma busca na internet e olha os estudos que encontrei: uma revista publicou uma pesquisa sobre a rinotilexomania, que é a mania de cutucar o nariz; cientistas da Nasa investigaram a construção da teia após a aranha consumir maconha; o pessoal da engenharia alimentar fez uma análise computadorizada da qualidade do espalhamento do molho na pizza; na Nova Zelândia, estudaram o pum do gado e o arroto da ovelha para diminuir a emissão de gás metano; um jornal britânico publicou o efeito da cerveja no apetite das sanguessugas; o senhor Abelardo, cientista, quer provar que as vacas sentem emoções. Sabia que existe a guardachuvologia? O cara descobriu quantidade, tamanho, cor, peso, leis relacionadas ao guarda-chuva; o outro mergulhou em números e equações matemáticas para elucidar um mistério que o incomodava: descobrir a melhor forma de passar o cadarço pelos sapatos; Chris McMannus, do University College London (Inglaterra), analisou a diferença dos testículos direito e esquerdo em 107 esculturas; Na Public Library of Science, saiu que machos de moscas-das-frutas submetidos diariamente ao álcool, que tipicamente cortejam fêmeas, passam também a cortejar ativamente outros machos. E, pra finalizar, uma pesquisa da minha área, Lingüística: Equipe espanhola mostrou que ratos não diferenciam uma pessoa falando japonês de trás para frente de alguém falando holandês de trás para frente.
Enfim, ninguém reclame de mim se eu não for satisfatoriamente convincente na hora de escrever a justificativa do meu trabalho científico.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Emeciene e Rotimeio

Postado por Aline Brito às 08:28 29 comentários

Com a vida agitada e cheia de novidades, nós, pobres mortais, temos que aprender aos poucos a lidar com o vem chegando de mansinho...
Estou começando a me acostumar com a linguagem da internet, ela está me contagiando, mas eita lugarzinho onde o povo bota a criatividade em dia!
É minhaamigapoxaquecoxa@hotmail.com, é minha afilhada entrando no Msn (ou emeciene), eh meu amigU ki add, tc, mandou bjs e abçs e perguntou se tah tudo massa, flws! É minha sobrinha dizendo que vai me bloquear...
Por falar em bloqueio, outro dia tinha um sujeito querendo puxar conversa e iniciar uma "amizade às escuras", aí eu aproveitei para usar algo que eu aprendi e perguntei a ele: "Você gosta de vôlei?". Ele disse: "Muito!" Eu lancei: "Então toma aí um bloqueio!", e usei esse poder de bloquear que só na net a gente tem.
Em outra ocasião, minha amiga tava teclando comigo e apareceu, no meio do nada, um desenhinho e eu perguntei: "E o que é essa mulher varrendo aí?". Ela falou: "É trabalhando, idiota!" Aff, esses emoticons me atordoam.
E a entonação? Nossa, como eu já passei apuros tentando explicar o que eu quis dizer com esse ou aquele termo... As pessoas vão inovando nos recursos pra levar pra escrita coisas que só o bate-papo presencial tem. Então tem gente QUE ESCREVE ASSIM e parece que tá gritando, tem gente que diz um simples "Como assim?" e o outro acha que você está nervoso, irônico, triste. E "rs". Tem um amigo que sempre diz: "Não ri não, que é sério..."ou "Por que tá rindo de mim?". Fora as palavras alongadassssssssssssssssssssss.
Algumas pessoas entram no Msn, aparece lá escrito "Disponível", mas não querem teclar. Aí vão apelando pra coisas assim: "Quem falar comigo é via**", "Não tô", "Estou ocupadíssima, agora não!!!", "Só fale comigo se for realmente importante". Pra que entrou, então?
Mudar o nickname todo dia é um compromisso pra alguns. A gente fica tentando descobrir quem é, o que aquilo quer dizer etc. Tem gente que acha brega, eu acho massa, combina com meu estado de espírito, quando são bem humoradas. É um canal de comunicação meio enigmático, mas o bom é isso: digo fingindo que não tô dizendo; entendo fingindo que não tô ententendo.
Intão inté!

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Viajando na Kombi da mortuária

Postado por Aline Brito às 08:54 2 comentários

Você já viajou de Kombi?
E que tal viajar numa Kombi de mortuária, onde muitos defuntos já foram levados pra lá e pra cá?
Pois é, eu já.
Imagine aí, quilômetros e mais quilômetros ali, dorme, acorda, mais dorme que acorda. Eu dormia tanto que parecia que eu estava morta.
Na verdade, essa aventura se deu por conta de um casamento que aconteceria em Mimoso do Sul, no Espírito Santo, e alguns convidados, como eu, partiriam de Buerarema, Bahia. Como um dos padrinhos do tal casório era o dono da mortuária, bondozamente o amigo levou todos os convidados em seu carro de trabalho.
Eu ficava imaginando: onde será que fica o caixão? Quantos defuntos já viajaram aqui? O carro está bem lavadinho? hihihihi.
Lá é longe viu... Mas tinha de ser comigo essa história. No final, foi tudo ótimo, e eu estou aqui vivinha pra contar a história.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Tatuado sim, marginal não

Postado por Aline Brito às 13:38 0 comentários

Corpo marcado.
Faz parte da história.
Ter uma tatoo é ter um adorno, uma lembrança, uma atitute.
Pega leve nas escolhas, mas pega leve no preconceito também; ninguém quer ficar "à margem".
Como bem lembra a propaganda (http://www.youtube.com/watch?v=slbpI8EDebU), não vá pelos outros, faça o que tem vontade.

"Se minhas loucuras tivessem explicações, não seriam loucuras" (Friedrich Nietzsche)

Postado por Aline Brito às 13:01 1 comentários
Dizem que sou louca.
"Uma professora meio doida, uma doida meio professora". Essa foi uma das mensagens que recebi no meu aniversário. Achei massa!
Figura, show de bola, uma onda... Definições que têm mesmo a ver comigo. Eu assumo! É bom!

Mosaico

Postado por Aline Brito às 11:35 2 comentários
Eu não sei dizer o que quer dizer o que vou dizer. Quem sabe o príncipe virou um chato? Bobeira é não viver a realidade, e eu ainda tenho a tarde inteira. O que quer que eu diga você não vai entender. Mas se eu digo "venha!" você traz a lenha pro meu fogo acender. Eu fico pensando em nós dois, cada um na sua. Venha sugar o calor de dentro do meu sangue vermelho! Tão vivo, tão eterno veneno, que mata sua sede, que me bebe quente como um licor. Deixa ser pelo coração: se é loucura, então melhor não ter razão. Meu mundo você é quem faz, música, letra e dança. Eu ontem tive um sonho, sonhava que você beijava a minha boca, era tão bom, ia deslizando no meu corpo. Gritei para o horizonte, e ele não me respondeu. E então fechei os olhos, sua voz assim me bateu.

Quem lê tanta notícia?

Postado por Aline Brito às 11:08 0 comentários

O sol nas bancas de revista me enche de alegria e preguiça... Sábio Caê!
Realmente, é muita coisa pra ler. Quem lê tanta notícia, quem lê tanto blog? Aff! Mas também se não tivesse o que ler, todo mundo ia reclamar.
Por entre fotos e nomes, eu vou... Eu vou continuar tentando, continuar lendo, continuar escolhendo "quase" tudo que me interessa ler, mesmo que não seja cult, afinal adoro um besteirol também.

Já não se fazem mais resfriados como antigamente

Postado por Aline Brito às 09:53 1 comentários

Minha gente, o que é isso? Qualquer espirro agora é Influenza A H1n1... Que exagero. Não se pode mais ter febre... Aquela tossezinha inofensiva de sempre agora virou ameaça de "Gripe suína". Não é mais pra viajar? E aquela prima que vive naquele lugar "suspeito" será eliminada de nossas vidas?
Vão catar coquinhos vocês que vivem assombrados, e não esqueçam de lavar bem as mãos quando resolverem voltar.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Do outro lado da vida

Postado por Aline Brito às 23:04 0 comentários
Quem não assistiu ao Ghost, quem não se emocionou com as cenas de Patrick Swayze e Demi Moore...

Apesar de mais descrente em relação ao nobre sentimento, fica aqui minha homenagem.
 

Tinha de ser ela... Por Aline Brito | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2010 | Engenharia e Design de Marlos Ross